Notícias

Setor imobiliário defende urgência para novas fontes de crédito

15 de Outubro de 2010

SÃO PAULO (Reuters) - A crescente demanda por crédito imobiliário vem preocupando, cada vez mais, representantes das diferentes esferas ligadas ao setor de construção civil, que alertam para um esgotamento dos recursos da poupança para este fim em cerca de dois a três anos.

"Até 2013, teremos de criar novas fontes para continuar financiando o crescimento vigoroso na produção de imóveis", disse nesta segunda-feira o deputado federal Fernando Chucre (PSDB), em evento na sede do Secovi-SP (Sindicato da Habitação).

No início deste mês, a Caixa Econômica Federal elevou a previsão para liberação de financiamento imobiliário em 2010 de 60 bilhões para 70 bilhões de reais.

Vendo "um sinal amarelo" já em 2012, o presidente-executivo do Itaú Unibanco, Roberto Setubal, ressalta que a expansão da oferta por crédito imobiliário deve ser suportada por medidas governamentais e por novas fontes de recursos.

"Vejo potencial enorme de crescimento... Temos estoque de financiamento imobiliário baixíssimo. No Chile, por exemplo, fica entre 30 e 40 por cento dos balanços dos bancos", disse ele.

Setubal alertou para a necessidade de se criar novos mecanismos de financiamento, apoiados em uma política de juros estáveis.

"No financiamento imobiliário, a taxa de longo prazo tem que vir para baixo. Primeiro, reduzindo a Selic. É preciso ter uma política que leve à redução da taxa Selic, mantendo a taxa de longo prazo também em baixa."

O excesso de regulamentação na área imobiliária, resultado da escassez de crédito que acompanhava o setor até pouco tempo atrás, também foi apontada por Setubal como um entrave para a ampliação da oferta de crédito. "O governo precisa pensar em uma estrutura de financiamento mais ágil, menos burocrática."

FONTES ALTERNATIVAS

Com o rápido avanço da demanda por crédito, alguns bancos já vêm ultrapassando o limite de utilização da poupança, que é de 65 por cento. Esse cenário leva os agentes do setor a considerar urgente a busca por fontes alternativas de financiamento.

"Qualquer fonte de recurso criada artificialmente será facilmente esgotada. A base do sistema de financiamento imobiliário será (formada por) recursos do mercado", disse Setubal, que defende a maior utilização de "covered bonds", tradicionalmente usados na Europa, que funcionam como uma espécie de Letra de Crédito Imobiliário emitida pelos bancos.

Já o presidente do Secovi-SP, João Crestana, aposta em três frentes para complementar os recursos voltados a crédito habitacional: securitização, fundos internacionais e fundos de pensão, que "aplicam muito pouco no setor imobiliário, diferente do resto do mundo".

Segundo Crestana, com a revisão dos "engessamentos" criados ao longo dos anos por parte do governo, os fundos poderão ter remuneração maior e, assim, competir com a poupança.

(Por Vivian Pereira; Edição de Cesar Bianconi)

Fonte: G1.com

Lançamentos

Ed. Race

A Reycon escolheu a área que mais se valoriza em Maceió para preparar um lugar especial para sua família. Ed. Race. Um empreendimento completo, com varias opções de lazer e uma vista maravilhosa do mar. Na parte alta de Jacarecica, com ventilação privilegiada e a garantia da Reycon Empreendimentos Ltda. Um negócio seguro e com retorno certo. Um apartamento sob medida que cabe certinho nos seus sonhos e na sua vida. Tem gente que precisa de 2 quartos. Tem aqueles que precisam de 3. Suíte? Todo mundo quer, e um prédio confortável, com elevadores e bela recepção faz parte do sonho de pessoas como você? Então, acorde e realize já este desejo sob medida pra você.